Papo de Tênis: Agora é hora da grama sagrada!

Papo de Tênis: Agora é hora da grama sagrada!

138
0
COMPARTILHAR

Weverson Pinheiro – colunista

Olá simpatizantes e amantes do tênis!

​Estavam com saudades? Estamos de volta com tudo! Neste post vamos bater um papo sobre a temporada de grama que nesse momento atinge seu ápice.

​O ponto alto da grama é o torneio de Wimbledon, o tradicionalíssimo palco sagrado do tênis, lá os melhores da história escreveram páginas incríveis inesquecíveis, é o Grand Slam que todos gostariam de vencer um dia, tenham certeza disso.

​No início da era aberta, a partir de 1968 a grama sagrada foi palco de grandes jogadores como, Rod Laver, Jimmy Connors, Bjorn Borg, John McEnroe, Boris Becker, Stefan Edberg, Pete Sampras e finalmente Roger Federer. Esses dois últimos são os maiores vencedores com sete títulos cada, uma marcar absurda.


​A pré-temporada da grama podemos destacar algumas boas surpresas como a vitória do jovem austríaco Dominic Thiem na grama de Stuttgart e a vitória de Florian Mayer que estava fora do Top 100 na grama de Halle. A grama de Queens, na Inglaterra, viu seu anfitrião vencer pela quinta vez, um recorde, estamos falando de Andy Murray, foi um feito e tanto e com isso ele se credencia como um dos favoritos ao título na grama sagrada.

​O número 1 do mundo se deu ao luxo de não jogar nenhum torneio preparativo, mas isso não será problema para ele, Djoko está com a confiança nas nuvens e chegará para vencer, não tenham dúvidas.

​Rafael Nadal não participará mais uma vez por contusão, uma pena, venho dizendo que está cada vez mais frequente o espanhol ficar de fora por questões físicas, uma pena. Ele insiste no jogo que o levou ao estrelato, mas seu corpo não é o mesmo de 2005, ou muda seu jogo ou, infelizmente, ficaremos sem ver o grande rei do saibro com muito mais frequência. Uma mudança de técnico seria ótimo para ele.

​O rei da grama, Roger Federer, ficou devendo nos torneios preparatórios, parou nas semi de Stuttgart e Halle, mas ele vem de contusão e está em recuperação para chegar em alto nível em Wimbledon. Seria muita ingenuidade de qualquer ser humano não considerar o heptacampeão como um dos favoritos ao título, mas ele precisa dar um salto de qualidade e confiança, vamos acompanhar e ver sua evolução. Ele conhece o caminho.


​O Brasil será representado por Thomaz Bellucci e Rogerinho Dutra Silva, mas não devem ir longe, Wimbledon não é o palco preferido dos brasileiros. Mais uma vez nossas melhores chances são nas duplas com Marcelo Melo(BRA)/Ivan Dodig(CRO) e Bruno Soares(BRA) com Jamie Murray(GBR). Na chave feminina teremos nossa Teliana Pereira, força para nossa tropa na terra da rainha.

​O próximo post iremos comentar as chaves masculina e feminina.
C’mon! 

Weverson Pinheiro

1 COMENTÁRIO

  1. não acredito muito em Andy Murray, apesar de ser bom atleta………sofre de sindrome de cavalo paraguaio…..só tem arranque!!!. A garra de Dominic é superior, pode surpreender!
    Mas ao final da competicão vamos acabar vendo ou Djoko ou Federer disputando a taça e se for ambos será fantastico

    • Tulio, no sorteio deu djoko e Federer do mesmo lado, uma pena, a final do ano passado não se repetirá, mas concordo que thiem pode surpreender, está crescendo muito. Murray é candidato ao título, sua cabeça agora voltou a ser comandada por Ivan lendl, isso pode fazer a diferença!

Deixe uma resposta